BMW Neue Klasse antecipa Série 3 de 2025

A BMW diz que avançou duas gerações com o Neue Klasse

Falsa grelha é monitor digital

Tejadilho em vidro no concept-car

Portas sem aros nos vidros

Uma nova identidade de desenho na BMW

Bancos com nova ergonomia

Bancos só com um apoio no chão

Tablier minimalista é o futuro

A simplicidade do passado

A frente em nariz de tubarão do Neue Klasse

Inspiração no passado, na frente

O modelo que salvou a BMW nos anos 1960

Novo desenho da vista traseira

Silhueta já com detalhes que se mantêm

Nova silhueta de todos os BMW

Um desenho que seria usado noutros modelos

Já são três os concept-cars da nova classe

15/9/2023. A nova Neue Klasse é o maior investimento de sempre da BMW, sendo a base de trabalho para todos os futuros modelos elétricos da marca. Será que os compradores vão gostar do estilo “neo-retro”? Será que esta primeira plataforma 100% elétrica ainda vem a tempo? Motivos de discussão na Crónica à 6ª feira do blog TARGA 67, assinada por Francisco Mota.

 

A BMW mostrou pela primeira vez em público, no recente salão de Munique, o “concept-car” Vision Neue Klasse. O nome é inspirado no Neue Klasse (nova classe) lançado pela marca em 1961, um modelo fulcral no arranque da marca para aquilo que é hoje.

A berlina de quatro portas destinada à classe média alta dos anos sessenta deu à BMW os lucros que lhe permitiram sobreviver, aumentar a sua dimensão e posicionar-se como marca premium. Foi um modelo fundamental, tirando a empresa do vermelho.

A frente em nariz de tubarão do Neue Klasse

As várias motorizações da Neue Klasse estiveram à venda até 1972, quando foi substituída pela primeira Série 5. A produção total ultrapassou as 354 000 unidades, com motores de quatro cilindros entre os 1500 cc e os 2000 cc

A nova Neue Klasse

O “concept-car” que foi agora mostrado em Munique, vai buscar inspiração ao Neue Klasse original em muitas áreas.

Desde logo porque quer ser, na transição para a eletrificação, aquilo que foi o modelo de 1962 na passagem para os lucros. Depois, porque a empresa não teve problemas em assumir isso mesmo e recuperar até o nome antigo, como uma espécie de talismã.

Inspiração no passado, na frente

Mas o mais evidente é o desenho. Adrian van Hooydonk, o chefe de estilo, diz que o novo concept-car “dá um salto de duas gerações” em relação aos modelos atuais da marca. E basta olhar com atenção para este concept-car para perceber isso.

Estilo rompe com (quase) tudo

A frente, com inclinação invertida, é claramente inspirada no “nariz de tubarão” que serviu de inspiração ao modelo dos anos 1960. A simplicidade das linhas, tanto do perfil como da traseira, seguem também o conceito do modelo antigo.

A BMW diz que avançou duas gerações com o Neue Klasse

E nem faltam os detalhes típicos da marca, para lhe dar a continuidade desejada, como o pilar traseiro com o tradicional “Hofmeister kink”, a ausência de cromados e a frente com uma nova interpretação do duplo rim.

Olhando para o Neue Klasse original, percebe-se onde está a inspiração da nova “grelha”, mas o duplo rim moderno é composto por um painel digital que engloba os faróis duplos e também um display digital capaz de exibir uma animação de iniciação do carro, bem como indicação do estado de carga da bateria.

Sem grelha gigante

Uma coisa parece certa, as atuais grelhas gigantes que tanta polémica têm levantado, vão desaparecer. Outros pontos interessantes do Vision Neue Klasse são a ausência de adornos na carroçaria, com os cromados trocados por LED.

BMW Neue Klasse antecipa Série 3 de 2025

Mas não deixa de ter guarda-lamas “poderosos”, com diz a BMW e um regresso a áreas vidradas mais generosas e pilares de tejadilho mais finos, a bem da visibilidade. As portas têm abertura automática, mediante um sensor de aproximação.

Resta saber qual será a reação dos clientes da marca, atuais e futuros. A mudança é muito acentuada, face à estética atual, o que pode provocar algumas “alergias”. Mas tem a seu favor uma aparência “neo-retro” que poderá servir de âncora para alguns.

Minimalista por dentro

Também por dentro o “concept-car” mostrou um novo conceito muito minimalista. Desde logo nos bancos com um único apoio no piso, libertando espaço para os pés dos passageiros da segunda fila. Mas também novos interfaces.

Tablier minimalista é o futuro

O “head up display” é melhor e ocupa a totalidade da largura do para-brisas num formato holográfico. O ecrã tátil central é também maior e inclui praticamente todos os comandos, tendo desaparecido comandos físicos do interior.

A exceção são os botões multifunções do novo volante, com topo e base planas. A BMW quer reforçar a sua aposta nos comandos por voz, com uma nova geração do sistema. Um detalhe curioso: com um movimento da mão é possível passar informação do ecrã tátil para o head up display.

Bancos com nova ergonomia

Não há utilização de pele de origem animal, sendo empregues mais materiais sustentáveis e reciclados, além de cores com tons mais fortes para a decoração do interior. Isto, se os clientes não insistirem nos habituais preto e cinzento.

1000 km de autonomia

O Vision Neue Klasse é um manifesto que vai inspirar modelos de todos os segmentos, na segunda etapa do futuro eletrificado da BMW que vai começar já em 2025. Por isso, ainda é prematuro falar de características técnicas e performances.

Portas sem aros nos vidros

Mas a BMW não deixou de anunciar que vai usar um novo tipo de baterias com células prismáticas e vai continuar a produzir os seus motores elétricos.

Segundo fontes não oficiais, a nova geração de baterias poderá carregar até 270 kW de potência e atingir uma autonomia máxima de quase 1000 km, com custos de produção 50% aos atuais. A ser assim, o futuro é risonho.

Em termos gerais, a marca diz que a sexta geração do sistema elétrico eDrive vai ser capaz de aumentar a autonomia em 30%, diminuir o tempo de recarregamento da bateria também em 30% e aumentar a eficiência em 25%.

Como os ID da VW

O primeiro modelo deste conceito Neue Klasse vai surgir já em 2025 e será o sucessor do atual Série 3, em versão exclusivamente elétrica. Depois segue-se o novo X3 elétrico e mais cinco novos modelos em apenas dois anos.

Adrian van Hooydonk lidera o estilo na BMW

Praticamente nada dos modelos Neue Klasse será partilhado com a atual geração de elétricos da BMW, todos derivados de modelos de combustão. É um pouco o que a VW fez com a sua família ID, que está a vender abaixo das expetativas. Claro que, na BMW, as espetativas são outras e o otimismo reina.

Conclusão

A BMW vendeu 2,4 milhões de automóveis em 2022 e quer que, em 2026, um terço das suas vendas sejam de carros 100% elétricos. Ao contrário da VW, que tem nos grandes volumes de produção a sua razão de existir, a BMW vai continuar a dar prioridade à qualidade e ao lucro (23,5 mil milhões de euros, no ano passado) em vez da quantidade. E isso poderá ser a sua melhor defesa contra a “invasão” das marcas chinesas no mercado global. Fazer elétricos baratos é uma especialidade chinesa. Mas criar uma marca premium não é coisa que se consiga de um dia para o outro.

Francisco Mota

Ler também, segundo o link:

Teste em pista – BMW i4: Sim!… Há elétricos bem divertidos